gestão da manutenção

nov 23

Uma gestão de manutenção eficiente evita retrabalhos, além de desperdícios financeiros e de tempo. Ainda mais na indústria têxtil, em que há um número alto de ferramentas e máquinas que precisam ser monitoradas constantemente.

Por isso, é preciso saber quais são os processos dessa etapa e os indicadores que apontam para possíveis falhas. Eles irão nortear os planos de resolução dos problemas.

Portanto, nesse texto você verá o que é gestão de manutenção, os procedimentos dessa área e os índices que ajudam no seu acompanhamento.

O que é a gestão da manutenção?

A gestão da manutenção é a área que organiza, administra e fiscaliza as ferramentas, equipamentos, materiais e máquinas da produção de uma indústria.

O papel do gestor de manutenção é assegurar não haver falhas durante todo o processo e evitar possíveis retrabalhos e gargalos na produção. O objetivo principal é garantir uma maior produtividade e desempenho, tanto dos funcionários quanto de todo o processo em si.

Conforme um estudo sobre metodologia da manutenção, as paralisações das atividades devido à má gestão podem causar despesas com:

  • Mão de obra;
  • Contratação de serviço;
  • Horas extras de funcionários para manutenção;
  • Compra de materiais e serviços de manutenção em momentos de emergência;
  • Aumento de gastos com energia da produção fora de horário contratado;
  • Gastos extras de acidentes com o pessoal e as instalações;
  • Multas e prejuízos de imagem por conta de acidentes ambientais;
  • Multas contratuais e prejuízos de imagem decorrentes de atrasos na entrega de produtos;
  • Lotes perdidos ou refugados por falta de qualidade no processo produtivo.

Quando pensamos na gestão desta área, é preciso entender que existem certos tipos de manutenção, que atendem a objetivos específicos e impedem que as despesas, citadas anteriormente, aconteçam. São elas:

Manutenção Preventiva

Esse método estabelece períodos de checagem das máquinas, com intervalos bem definidos. Esse monitoramento é realizado de acordo com as instruções do fabricante sobre modo de uso e manutenção. Assim, é criado um plano com os períodos certos para acompanhar o desempenho dos equipamentos.

Desta forma, o gestor saberá quando ocorrerão os desgastes naturais do uso, e assim poderá já planejar um possível momento de troca.

Manutenção Preditiva

Essa é uma metologia de gestão que visa prevenir e prever possíveis danos e falhas, além de encontrar a raiz de todos os problemas. Ela facilita os processos do chão de fábrica, evitando atrasos e paralisações.

Aqui, a manutenção e a administração precisam ser constantes para reduzir custos e aumentar a produtividade. A análise de dados e dos históricos de desempenho das máquinas precisa estar em dia nesse método.

Segundo a McKinsey, esse tipo de manutenção reduz a inatividade das máquinas em 30% a 50%, o que aumenta a vida útil do equipamento em 20% a 40%.

Manutenção Corretiva

Essa serve para solucionar um problema que já aconteceu. Por isso, ela gera mais custo financeiro e de tempo. Conforme a Engeteles, 69% das empresas brasileiras aplicam apenas esse tipo de manutenção.

Vale destacar que ela é indicada para a manutenção de equipamentos que, quando falham, não causam problemas de segurança ou ao meio ambiente, não paralisam a produção, não prejudicam a qualidade, têm equipamentos reservas e o reparo custa menos de 10%.

Isso porque o ideal é ter uma manutenção mais planejada, a fim de evitar esses erros e prejuízos financeiros. Ainda, a manutenção ou troca de certas máquinas pode levar um tempo considerável e atrasar a produção.

Manutenção Não-Planejada Corretiva

Já este tipo de manutenção segue as mesmas características da anterior, porém, tem consequências ainda mais graves. Aqui a manutenção ocorre de forma inesperada como uma ferramenta para resolver um problema. Essa, por não ser planejada, é a que causa mais custos financeiros e de produtividade para a indústria têxtil.

Processos da gestão da manutenção

gestão da manutenção

Com a Indústria 4.0 os processos estão, cada vez mais, automatizados. Isso se dá porque aqui a tecnologia está presente na maioria dos procedimentos para agilizar e aumentar a produtividade.

A quarta geração da indústria acompanha as transformações digitais e, portanto, conta com inteligência artificial, robótica, big data e internet das coisas. Com isso, algumas tecnologias foram incorporadas no dia a dia da gestão de manutenção para facilitar o monitoramento.

Nesse sentido, a Gestão da Manutenção Assistida por Computador (CAMM) auxilia na predição de falhas e erros, contribuindo para o planejamento e tomadas de decisões. Além disso, existem máquinas que possuem controles digitais que apontam dados de funcionamento e de uso. Por fim, existem os softwares interligados com a internet das coisas que ajudam na checagem e reúnem todos os dados em um único lugar, facilitando a análise.

Logo, o gestor precisa estar atento às informações proporcionadas por essas ferramentas para planejar cronogramas de manutenção e pesquisa. Assim, é possível evitar a necessidade de manutenções corretivas, reduzindo as despesas do setor.

Principais KPIs de manutenção para acompanhar

gestão da manutenção

KPI é um termo que vem do inglês Keys Performance Indicators. Em tradução, eles são os indicadores chaves de performance. Vale ressaltar que o ideal é ter poucos KPIs para acompanhar todos eles com maior tranquilidade e calma.

A análise de indicadores é algo trabalhoso e, por isso, monitorar inúmeros dados que não fazem sentido para o seu negócio pode mais atrapalhar do que contribuir com a gestão.

Alguns dos principais indicadores para a gestão de manutenção são:

Tempo médio entre falhas (MTBF):

Esse indicador calcula o tempo médio entre falhas. É preciso aplicar esse índice em cada máquina para testar a confiabilidade de cada uma.

A fórmula é: MTBF = soma das horas de um bom funcionamento / número de paradas para manutenção corretiva.

Esse cálculo facilita o planejamento das manutenções preventivas. Com esse índice, os tempos de manutenção serão incluídos no tempo total de produção, evitando atrasos.

Tempo médio para reparo (MTTR):

O nome do indicador já corresponde a função do mesmo: calcular o tempo médio de cada reparo. Logo, o resultado dele precisa ser o menor possível.

A fórmula desse índice é: MTTR = soma dos tempos de reparo / número de quantidade de intervenções realizadas.

Disponibilidade:

A disponibilidade é calculada com a ajuda do MTTR e do MTBF. É com este indicador que é definido a capacidade de uso de um determinado equipamento em um período.

A fórmula desse KPI é: Disponibilidade = MTBF / MTBF + MTTR.

Custo de manutenção sobre faturamento (CMF):

O CMF serve para calcular a gestão financeira da manutenção. Isso significa que se ele for alto, o produto final terá um valor caro em comparação aos concorrentes. Aqui, é calculado o custo de todas as despesas.

A fórmula para esse indicador é: CMF = custo total de manutenção / faturamento bruto x 100.

E agora?

Neste conteúdo você viu sobre a importância da gestão da manutenção e alguns dos principais índices dessa área que podem ser acompanhados em sua indústria.

Para conhecer mais indicadores de manutenção, clique aqui ou na imagem abaixo e faça o download do infográfico 9 indicadores de manutenção que você precisa monitorar na indústria têxtil!

gestão da manutenção