Just in Time

jun 27

A redução de custos é um objetivo em muitas indústrias, inclusive nas indústrias têxteis. Isso é natural, já que, ao reduzir os custos e o desperdício, o processo produtivo torna-se mais lucrativo e a empresa mais competitiva. Uma das formas de atingir tal objetivo é aplicando o conceito Just in Time (traduzido para o português como “No Tempo Certo”).

Para saber como ele funciona, quais são os objetivos e os resultados que pode proporcionar, basta continuar a leitura deste artigo!

 

O que é a metodologia Just in Time?

Desenvolvido pela Toyota na década de 70, o Just in Time começou a ser aplicado para solucionar um problema pela qual a fabricante japonesa estava enfrentando.

Era pós-guerra e a Toyota precisava de uma metodologia que permitisse a fabricação de diferentes modelos, em pouca quantidade e com baixo custo para poder aumentar sua competitividade utilizando os poucos recursos que tinha em mãos.

Para isso, ela desenvolveu o conceito Just in Time, também chamado de Sistema de produção Toyota e, no Ocidente, sistema Kanban — nome dado aos cartões usados para autorizar a produção e movimentação dos itens do processo produtivo.

Exemplo da utilização do Kanban. Fonte: www.knowledge21.com.br

A diferença desta metodologia para o sistema produtivo clássico é que, enquanto no sistema clássico de produção há sempre um estoque intermediário entre um estágio e outro para evitar que erros em um estágio acabem afetando o próximo, no Just in Time esse estoque não existe.

A produção é feita por demanda, o que significa que, primeiro o produto é vendido e só depois é feita a compra da matéria-prima e, em seguida, a fabricação. Com isso, os insumos chegam ao local de utilização apenas no momento da produção e o estoque não fica parado.

 

+ Saiba mais: Manufatura avançada na Indústria Têxtil. Controle de qualidade na era da Indústria 4.0

 

Quais resultados são obtidos?

Apesar de não haver mais o ganho de tempo para a resolução de problemas entre cada estágio, é justamente esta a vantagem que leva a otimização do processo e também a redução de custos.

Isso porque o estoque que serve para evitar as paradas de produção pode acabar camuflando os erros do processo, gerando desperdício de materiais e ineficiência.

A partir do momento que uma falha em uma das etapas prejudica automaticamente as outras, há um cuidado muito maior com a prevenção dos erros e também com a eficiência dos processos.

 

As falhas deixam de ser vistas como inevitáveis e, ao ocorrerem, tendem a ser criadas soluções para eliminar os erros definitivamente.

 

Com isso, algumas situações que causam desperdício deixam de ocorrer, trazendo a redução de custos. São elas:

  • Produtos fabricados fora das especificações que poderiam gerar retrabalho para correção ou até perda completa do produto;
  • Produção em excesso que causaria gastos com armazenagem, vencimento de produtos e falta de espaço para novos produtos;
  • Máquinas ociosas que geram custos na cadeia produtiva;
  • Erros de transportes que resultam em multas, devoluções e custos extras com frete.

Outra consequência é o comprometimento dos colaboradores com suas funções. Afinal, ninguém quer ser o responsável por acabar paralisando todo o processo produtivo, certo?

Ao desenvolver e aplicar o conceito Just in Time, a Toyota começou a se mostrar mais eficiente que a concorrência, entregando um produto de qualidade e de maneira muito rápida. É por este motivo que a metodologia passou a ser replicada em indústrias de diferentes setores.

 

+ Saiba mais: O que é controle de qualidade? Como funciona na indústria têxtil?

 

Quais os requisitos para a sua aplicação?

Para aplicar a metodologia Just in Time é essencial incluir também o conceito de produção puxada, conhecida como lean production.

Ela foca no abastecimento das lojas de acordo com os pedidos realizados e exige um bom relacionamento com os fornecedores para garantir a entrega, bem como o tamanho dos lotes.

Também é preciso levar em consideração que no Just in Time não é possível trabalhar com uma variedade muito grande de produtos, nem com produtos de demandas imprevisíveis e com grandes oscilações.

 

E-book]Como garantir o controle de qualidade na indústria têxtil?

 

Como ela pode ser aplicada a uma confecção têxtil?

Se você precisa trabalhar na redução de custos da sua confecção e gostou da filosofia Just in Time, o primeiro passo é mudar a cultura organizacional da empresa. Apesar de demandar tempo e esforço, esta tarefa é necessária e gera grandes benefícios.

Depois, será preciso montar uma equipe realmente comprometida e multifuncional para que os processos sejam realizados de maneira sincronizada e autônoma. Além de garantir a eficiência e a qualidade dos produtos, bem como conhecer a fundo a demanda e o ciclo de vendas.

 

Equipe de batendo algumas atividades referente a implantação da metodologia just in time para obter uma redução de custos na na confecção.
É necessário montar uma equipe multifuncional e comprometida.

Apesar de parecerem objetivos complicados, com o avanço da indústria 4.0 já existem soluções tecnológicas que possuem funções que colaboram muito para que eles sejam alcançados.

Com eles já é possível realizar tarefas como coletar dados dos rolos de malha assim que chegam do fornecedor, gerando um mapa de defeitos que impede que as peças sejam produzidas com tecidos defeituosos, além de analisar qual o melhor corte para cada matéria-prima.

 

Banner do e-book: evolução da confecção 4.0.

 

Também há como realizar o relaxamento de malhas em muito menos tempo, assim como os testes das amostras de tecido e outras tarefas, reduzindo o tempo de produção por completo. Basicamente, a tecnologia pode facilitar muito a implantação do Just in Time na sua empresa, causando a redução de custos, basta adquirir os equipamentos corretos.

Por falar neste assunto, se você quer implantar este processo ou mesmo otimizar a sua linha de produção, confira agora porque o setor têxtil precisa se adequar à indústria 4.0!