set 19

Apesar de não ser uma novidade, o upcycling é um conceito que tem ganhado força nos últimos anos na indústria têxtil. Um dos principais motivos é a conscientização ambiental e a renovação do universo fashion. Ele pode auxiliar a reduzir o desperdício e melhorar o controle e a capacidade da produção.

Quer compreender melhor o tema? Confira agora o artigo em que mostraremos o que é upcycling, como ele surgiu, quais empresas estão o adotando no Brasil e no mundo e porque sua empresa deveria implantá-lo!

 

O que é e como surgiu upcycling?

O termo upcycling foi utilizado pela primeira vez por volta de 1994 pelo ambientalista alemão Reine Pilz. Após 8 anos, o autor de Cradle to Cradle William McDonough reutilizou o termo, o que o popularizou.

Apesar de poder ser aplicado em outras áreas como arte, decoração, arquitetura, entre outros, na indústria da moda ele tem um grande impacto que pode mudar a forma como você produz suas peças.

upcycling
Mochila da marca Gaúcha Colibrii, que reaproveita diversos tipos de tecidos. Fonte: colibrii.com.br

O conceito do upcycling consiste em utilizar peças que seriam descartadas ou sobras de tecidos para realizar a customização de novas peças. Ele integra sustentabilidade, criatividade e redução de custos, uma vez que as peças com defeitos podem ser reaproveitadas para agregar valor a um novo produto ao invés de serem descartadas.

Embora muitas pessoas o associem à reciclagem, os conceitos são diferentes, uma vez que na reciclagem os materiais passam por um processo em que muitas vezes são convertidos em materiais de menor qualidade.

 

+Saiba mais: Economia Circular: como se aplica ao setor têxtil?

 

Como estão sendo feitas as primeiras tentativas de implantação no mundo?

No Japão, a transformação de peças usadas e o reaproveitamento de tecido já são técnicas utilizadas há mais de um século. Por lá, o conceito é conhecido como “boro”. A estilista estoniana Reet Raus montou uma linha de produção em uma fábrica em Bangladesh que utiliza resíduos para a produção de roupas upcycled.

Upcycling
Foto da coleção cápsula REMADE do estilista Christopher Raeburn – Fonte: stylourbano.com.br

O estilista inglês Christopher Raeburn também adota o upcycling, produzindo roupas e acessórios com tecidos militares recuperados. Dessa forma, são aproveitadas características como a camuflagem e a proteção térmica. A Reformation é uma americana fundada pela estilista Yara Aflalo, e também é uma referência em upcycling.

Mesmo grandes marcas já estão incluindo a técnica, como a Comme des Garçon e Stella McCartney, que já aplicaram os conceitos em suas coleções. A Thrif-tee também é um exemplo, pois customiza itens garimpados ao redor do mundo.

 

+Saiba mais: Sustentabilidade na confecção: uma questão a ser analisada

 

Quais empresas brasileiras estão implantando este conceito?

A COMAS transforma camisas masculinas que seriam descartadas por defeitos em saias, vestidos, camisas diferentes e estilizadas, entre outras peças criativas. A Insecta Shoes também é um destaque em sustentabilidade no Brasil e reaproveita tecidos de descarte de indústrias e de outras marcas para a confecção de calçado e acessórios. A marca ainda é vegana, pois não tem nenhum material de origem animal na produção.

upcycling
Sandálias da coleção Collab da parceria da Insecta com a Farm. Fonte: insecta.com

Um dos desafios em implantar o upcycling em linhas de produção de grandes volumes é a necessidade de ter um funcionário para personalizar cada peça, no entanto, aos poucos algumas marcas já estão conseguindo derrubar essas barreiras.

A Hering, por meio da FHH, desenvolveu o projeto Tramas Afetivas que é um laboratório de inovação em economia circular. A FARM fez uma parceria com a Re-Roupa e lançou a re-FARM e a Renner lançou uma linha de peças feitas com malha reciclada, a Re Malha, mostrando que é possível levar o conceito a produção em grande escala.

 

E-book]Como garantir o controle de qualidade na indústria têxtil?

 

Por que sua empresa deve pensar na implantação do upcycling?

No Brasil, de acordo com o Sinditêxti-SP (Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Estado de São Paulo), são produzidos cerca de 175 mil toneladas de resíduos têxteis provenientes dos cortes e enfestos das confecções nacionais. Destes, são estimados que mais de 90% sejam levados a aterros sanitários e outros tipos de descartes incorretos — ainda que isso seja um crime ambiental, conforme Lei nº 12.305/2010.

O descarte inadequado gera graves consequências ao meio ambiente, pois alguns tecidos demoram muitos anos para se decompor e podem intoxicar o solo e a água. Além da tendência da moda sustentável, um motivo para que o upcycling esteja sendo cada vez mais utilizado é o aumento da consciência individual, uma vez que o consumidor já está se questionando sobre o destino das roupas que utiliza e o modo como são produzidas.

Ou seja, o público também vê muito valor a marcas que prezam pela sustentabilidade, tornando a prática do upcycle um diferencial competitivo. Com isso, a tendência é que ele seja cada vez mais utilizado, gerando um impacto positivo para o meio ambiente e reduzindo o desperdício de insumos dentro das confecções.

 

Banner do e-book: evolução da confecção 4.0.

 

Gostou de conhecer o upcycling? Compartilhe este artigo em suas redes sociais para que mais pessoas possam conhecê-lo também!

2 comentários em “Upcycling: o que é e seu impacto no futuro da produção”

  1. Já conhecia essa técnica de reaproveitamento e, inclusive, procuro adquirir roupas e acessórios produzidos dessa forma.

    1. Oi Gina, tudo bem?
      Bom saber que você também faz parte desse impacto positivo dentro do “fashion” como consumidora. Esse processo, esta dando uma reviravolta muito expressiva no mercado nos últimos anos.

Os comentários estão fechados.